quinta-feira, 7 de agosto de 2014

AO PÉ DO OUVIDO// Comida, amigos e a trilha perfeita

Rosualdo Rodrigues
Colunista de Música do Gastronomix
Fim de semana chegando, e receber amigos em casa é sempre uma boa alternativa para quem não está a fim de encarar os preços altos dos bares e restaurantes, a espera por uma mesa, a dificuldade de estacionamento e outros inconvenientes dessa nossa vida urbana moderna. E quem gosta de organizar esse tipo de evento já se diverte bem antes de ele começar, pensando em quem chamar, o que servir...
Eu acrescentaria mais um item ao check-list: o que tocar. A maioria das pessoas não tem a música como algo com que deva se importar. Na hora, rola o CD que estiver no aparelho de som ou liga-se o MP3 e pronto. Mas, acredite, nessas ocasiões a trilha sonora pode fazer toda diferença.
Afinal, segundo o neurocientista Oliver Sacks, a música afeta seu humor mesmo quando você supostamente não está dando atenção a ela. Pode fazer as pessoas no ambiente se sentirem confortáveis ou desconfortáveis, dispersas ou aconchegadas, animadas ou sonolentas.
Por isso, aqui vão 10 dicas para que podem ser úteis quando você abrir sua casa para um jantar, um almoço ou simplesmente um comes-e-bebes:
1 – DVD não, pelo amor de Deus. Corre o risco de ter um grupo de pessoas silenciosas, todas com o olhar voltado para a tela, ou conversando apenas sobre o que está sendo visto. A não ser que o propósito do encontro seja este, ver o novo DVD de, sei lá, Marisa Monte.
2 – Da mesma forma que você não serviria peixe para um amigo que não gosta desse tipo de proteína, não deve tocar músicas que seus convidados não curtem.  Se tem uma mínima ideia das preferências musicais de cada um, procure agradá-los e não imponha seu gosto.
3 – Evite pôr para tocar discos inteiros. Melhor é misturar. Ligue o modo aleatório, ou melhor, produza uma seleção específica para o evento, criando um arquivo no MP3 ou no notebook com músicas que você acha que contribuirão para o clima desejado.
4 – A mistura dá mais chance de agradar a um número maior de pessoas e evita que algum chato apareça pedindo para trocar a música. A propósito, quando estiver na posição de convidado, não faça isso, é desagradável pra caramba.
5 – Ao fazer a seleção, revire seus CDs ou arquivos de MP3 e surpreenda os convidados incluindo aqui e ali músicas de outras épocas que andam esquecidas. Elas nunca passam despercebidas, sempre provocam lembranças coletivas.
6 – Não confunda ambiente aconchegante com sala de relaxamento. Música calma demais, não. Samba jazz, bossa, Paulinho da Viola, Pink Martini são exemplos de som cool mas animador. Também não vá tocar Claudia Leitte (força de expressão) só para manter as pessoas ligadas.
7 – O som não deve estar nem tão alto a ponto de fazer as pessoas levantarem a voz nem tão baixo que elas não possam ouvi-lo.
8 – Na hora da refeição principal, sempre é bom deixar rolar um som mais tranquilo. As pessoas ficam mais atentas à comida – e claro que, se labutou na cozinha, você vai querer ouvir elogios como recompensa.
9 – Se a reunião for à noite: quando a bebida começar a fazer efeito e as pessoas começarem a falar alto demais, não queira competir com elas aumentando o volume do som. Não demora para que interfone toque. E é o zelador. Chato isso...

10 – Um som de qualidade é imprescindível. Deixar a música rolando em caixinhas com som de radinho de pilha ninguém merece.

Um comentário:

luciano ferreira disse...

Cool, as dicas sao otimas, mas vale lembrar tambem que um som de qualidade nao se restringe somente ao tipo de musica, mas tambem ao tipo de aparelho que esta tocando a musica. Colocar musica em aparelho celular sem caixas e muito feio.


*meu teclado nao tem acentuacao*