sábado, 14 de julho de 2012

ABOBRINHAS // Os veganos e a Rio+20

Luciano Milhomem
Colunista de Alimentação Natural do Gastronomix

Entre os muitos grupos de ativistas presentes nos eventos paralelos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, um especialmente me chamou a atenção: os veganos, aqueles que não consomem absolutamente nenhum tipo de produto animal. À entrada principal do Riocentro, onde se realizavam as negociações da ONU, veganos fantasiados de vaquinha distribuíam sanduíches deliciosos a quem passava. Sim, distribuíam. Davam. Não cobravam um centavo.

A estratégia me agradou porque havia algo nela de gentil, respeitoso, simpático. Em vez de bradar slogans e condenar quem consome produtos animais, esse grupo de veganos preferiu seduzir pelo paladar. Mostrou que comida sem produto animal também pode ser saborosa. Aposto que muita gente se tornou ao menos simpática ao movimento vegano. Afinal, não são poucos os que nutrem preconceito contra quem só come vegetal.

Claro que esse grupo de veganos aproveitava para disseminar sua mensagem. Junto ao sanduíche – salvação de muitos que não tinham tempo para lanchar na praça da alimentação do Riocentro – anexava dois pedacinhos de papel. Um deles trazia uma tabela que informava o valor nutritivo do lanche em comparação com um sanduíche de carne tradicional:

A dieta vegana é o começo de um mundo sustentável
Maionese sem leite animal: leite de soja, óleo vegetal e limão.
“Carne” de soja: soja, sabores naturais.
Nutrição:

Proteína de soja (carne de soja)
Carne comum
35%
13-25%
Leite de soja
Leite de vaca
7,5%
3%



O outro papelzinho anunciava:

Seja vegano para poupar:
1.    70% do desmatamento da Amazônia para a pecuária.
2.    70% da terra cultivável mundial para alimentação de gado.
3.    70% da água usada na pecuária.
4.    1/3 da produção mundial de grãos utilizada para a pecuária.
5.    30% da extinção de espécies no mundo.
e
6.    Reduzir o gás metano (GHG) em até 51%.
7.    Remover o CO2 pela agricultura orgânica.
8.    Prevenir contra a desertificação.


Confesso que não verifiquei a precisão dessas informações. Em todo caso, independentemente de serem mais ou menos fiéis à realidade, é mesmo fato que as dietas vegana (mais que isso, o estilo de vida vegano) e vegetariana, se adotadas em larga escala, contribuiriam enormemente para a redução do impacto ambiental da pecuária.
Outro grupo vegano, a propósito, chega a defender o “caminho orgânico vegano” como a resposta para os grandes problemas socioambientais da humanidade. Seguidores da “mestra” vietnamita Ching Hai, esse grupo também distribuiu refeição gratuita no Riocentro, juntamente com um kit que reunia dois livros, um mais doutrinário (“Da Crise à Paz – O Caminho Orgânico e Vegano é a Resposta”) e outro de receitas (Cozinha Orgânica Vegana – Para uma vida sustentável e segurança alimentar), além de uma camiseta.

Há elevada dose de romantismo em grupos como esses, especialmente o vietnamita, mais doutrinário (o primeiro tem no comando uma jovem de Goiânia, muito simpática e aparentemente nada radical). Parece-me utópico defender a causa vegana em um mundo onde bilhões de pessoas consomem carne prazerosamente todos os dias (além de milhares de outros produtos de origem animal) e, com isso, movimentam bilhões de dólares no mercado. Mais realista seria advogar pela redução do consumo de carnes, conforme prescreve a própria Organização Mundial da Saúde, baseada em pesquisas que comprovam os malefícios da ingestão desequilibrada de carne vermelha.

Em todo caso, vejo como um avanço, em termos de marketing, a distribuição gratuita de comida vegana como forma de disseminar esse tipo de cozinha, legítimo como qualquer outro. Serve como exemplo para os próprios governos que distribuem merenda escolar gratuita, os quais poderiam adotar um dia sem carne como forma de estimular a redução do consumo de um produto animal de elevado impacto no meio ambiente.

 


Um comentário:

Jose Luiz ZÉLLO Visconti disse...

O que faz uma pessoa, perdida em iformações num laboratório de sutis idéias? Vasculha daqui e analisa dali!Encontro no blog Crônicas de um Vegetariano...me disponho a colher dados e encontro ajuda..importante! Poupando grana e com juros em saúde!Interessante perceber que sempre nos escondemos do que nos possa parecer favorável, por ingnorância...Leio com atenção..e em cada sentença vários verbos me dizem o que a boca deve obedecer aos olhos...A cozinha rica de cores e sabores, aromas e plasticidade!!!A carne é para ser amada, e não mastigada! Parabéns Milhomen...vou continuar bisbilhotando suas crônicas e me inrfomando. Obrigado ao Blog...