sábado, 31 de março de 2012

ABOBRINHAS // Na Esplanada


Luciano Milhomem
Colunista de Alimentação Natural do Gastronomix

Diz o ditado que saco vazio não para em pé. Concordo. Tanto que, ao trocar de emprego, no mês passado, uma de minhas primeiras preocupações era onde almoçar. Afinal, eu estava habituado a comer em casa ou perto de casa, um luxo que perderia ao passar a dar expediente na Esplanada dos Ministérios.

Para quem não mora em Brasília, a Esplanada reúne todos os ministérios do poder executivo federal, o Palácio do Planalto, assim como as sedes dos demais poderes: Congresso Nacional e Supremo Tribunal de Justiça. Onde ficam os restaurantes ali? Melhor: onde ficariam os restaurantes naturais no coração do poder nacional?

Para minha surpresa e alegria, um deles -- quiçá o melhor -- fica justamente no bloco A (ao lado da Catedral de Brasília), onde trabalho agora. Admito que ouvi com certo preconceito a informação de que havia um restaurante no prédio. Imaginei logo um self-service mediano, do tipo que serve apenas o trivial. Ledo engano!

O restaurante é, de fato, um self-service, mas nada tem de medíocre. Oferece vasta gama de opções, inclusive para quem não come carnes. E o preço está muito abaixo do mercado. Daí tantos colegas dos ministérios vizinhos se deslocarem até o bloco A para o almoço -- só liberado, a quem não trabalha no prédio, a partir das 13h. Portanto, dou sempre um jeito de chegar lá até as 12h30.

Vale a pena. O cardápio varia bastante. Nunca faltam pratos de soja: croquetes, quibes, almôndegas, entre outros. No dia em que escrevi esta crônica, almocei estrogonofe de soja com arroz integral e diversos tipos de salada. Há dois buffets só com legumes, verduras e frutas.


Tortas de vegetais diversos também reforçam o menu, assim como pratos especiais à base de berinjela, abobrinha, chuchu, banana e por aí vai. Os fãs de massas não podem reclamar. Há buffet para eles. Quase sempre, há algum prato sem carne, como nhoque ao sugo ou espaguete ao alho e óleo ou penne ao molho branco.

As sobremesas são igualmente tentadoras. Musses, tortas, pudins desafiam minha disposição a fazer dieta. Quando a força de vontade sai vencedora, como frutas frescas: abacaxi, melancia, mamão, manga. Não dá para reclamar. Sim, há quem diga que, daqui a seis meses, já estarei enjoado do tempero e mesmo dos pratos. Talvez. Em todo caso, é uma "mão na roda" ter um restaurante com opções para vegetarianos na Esplanada dos Ministérios.

Além de comida saudável, o lugar permite que o servidor se livre do trânsito congestionado em um horário de pico. Recomendo. Trabalhe na área ou próximo dali, o visitante pode sempre ter uma experiência diferente. Sem preconceito.

(*) Luciano Milhomem é jornalista e bacharel em Filosofia. Mestre em Comunicação pela UnB e não come quadrúpedes e bípedes há mais de quatro anos.

2 comentários:

Luís Felipe disse...

Como pessoa que não come semoventes desde o fim 99, e tendo trabalhado na Esplanada de 2003 a 2008, deixa-me tecer uns comentários. Primeiro: não conhecia o restaurante do Bloco A, obrigado plea dica. No anexo da câmara existe(ia?) um Naturetto. Mais puxado pro lado carnívoro por estar dentro de um órgão público, mas com muitas opções vegetarianas. O famoso garajão (subsolo do Itamaraty) também sempre tem opção vegetariana com soja além de muita salada. Se estiver com tempo, o Green's (102N e 202S) é muito gostoso. O Naturetto da Asa Norte é melhor para vegetarianos que o da Asa Sul, mas o da Sul oferece mais carne pros amigos que gostam e acaba satisfazendo todos os gostos. A Tribo é cara e, apesar de pratos gostosos, acaba pecando na falta de alimentos proteicos para vegetarianos, ao mesmo tempo em que oferece umas opções de carnes meio sem graça pros amigos carnívoros. Eu curtia a Oca da Tribo, com um buffet maior e mais conveniente para a Esplanada, mas ela pegou fogo. Opções de restaurantes que não parecem "veggie-friendly", mas são existem muitas. A Mara Alcamin, em que pese o preço salgado, faz um glúten excelente e sempre tem disponível no Universal Diner, por exemplo. E se precisar de um podrão vegetariano, não tema: Marvin, Respeitável Burger e 50's tem opções de hamburger veggie. Algumas casas de cachorro quente também tem salsicha vegetariana (me ocorre uma na 208S, não lembro o nome). Estou, com certeza, cometendo injustiças e deixando de fora vários outros estabelecimentos, mas olho aberto! Brasília tem muitos vegetarianos e muitos negócios aproveitando o nicho! Abraços!

Luciano Milhomem disse...

Grato pelos comentarios, Luis Felipe. Esta cronica, porem, pretendia se deter mesmo apenas a Esplanada dos Ministerios. Como tem carater pessoal (dai, inclusive, a escolha do Rodrigo pelo titulo deste espaco), nao ha um compromisso formal com "critica gastronomica" tampouco com "guia gastronomico". Quanto a suas demais dicas, em textos anteriores, ja mencionei (com direito a endereco) a maioria desses lugares. Houve, alias, uma cronica exclusivamente sobre lanchonetes/sanduicherias da cidade. Valeu muito pela contribuicao!