quarta-feira, 2 de junho de 2010

AO PÉ DO OUVIDO// Música a bordo

Por Rosualdo Rodrigues

Tem coisa melhor do que dirigir ouvindo música? Bom... Força de expressão. É claro que tem. Mas eu listaria esse entre os maiores prazeres da vida: dirigir ouvindo música. De preferência sozinho, cantando junto, sem pressa de chegar a lugar nenhum. Como fiz dois sábados atrás, em João Pessoa, quando em plena madrugada percorri a Epitácio Pessoa (uma grande avenida que liga a praia à zona central da cidade) ao som de Tonight, com David Bowie e Tina Turner. Nenhum pedestre à vista, somente um carro aqui e outro ali. Depois, quando dei a volta na Lagoa do Parque Solon de Lucena (linda sem aqueles ônibus e aquela gente toda em volta), era Brett Dennen e Natalie Merchant que cantavam Heaven... Realmente, tinha algo de paraíso. Uma paz, uma felicidade...

Mas não é preciso um momento assim extraordinário para que essa espécie de mágica aconteça. Às vezes, num trajeto habitual do dia a dia é possível senti-la. A música tem um incrível poder de transformar a realidade. Às vezes ela combina tanto com o que você vê em volta que a sensação é a de estar em um filme, a trilha sonora cabe com exatidão. Lembro de uma vez, nessa mesma Epitácio Pessoa, ter ouvido Burn it blue, com Caetano Veloso e Lila Dows. Estava a caminho do trabalho (morava então em João Pessoa). A música era triiiste, o dia chuvoso, gente indo e vindo com seus guarda-chuvas... Comecei a chorar.

Outra ocasião curiosa que nunca esqueço foi uma vez em que eu passava pela Esplanada dos Ministérios e havia centenas de sem-terra acampados no gramado. Do carro, ouvindo jazz, eu os via e me sentia a anos-luz dali. Aquela música sublinhava um contraste gritante e aquilo me incomodava. não sei exatamente por quê. Mas, habitualmente, passar pela Esplanada ouvindo música sempre me dá uma sensação muito boa, uma alegria, o que, aliás, sempre ocorre quando percorro Brasília.

E, pra não perder o costume, vai aqui uma lista de 10 músicas que fazem parte de um CD que tenho escutado muito nestes últimos dias enquanto dirijo:

1 ) Tonight (David Bowie e Tina Turner)
2 ) Heaven (Brett Dennen e Natalie Merchant)
3 ) Hot mess (Sam Sparro)
4 ) Salt air (Chew Lips)
5 ) Don’t tell me that is over (Amy McDonald)
6 ) Teardrops (The XX)
7 ) Le grand sommeil (Sweetlight remix) (Etiene Daho)
8 ) Mistake (Moby)
9 ) Paparazzi (Lady Gaga)
10 ) Turn it on (Franz Ferdinand)

7 comentários:

Vítor disse...

Rosualdo, somente pessoas apaixonadas por música como nos, sabemos o quanto é prazeroso dirigir embalado pelo som do "toca-fita".

Daniel disse...

Putz! Descer o eixo monumental e ver a esplanada e o congresso se descortinando ao som de "Smile like you mean it" não tem preço!

Sarah disse...

O que é prazeroso mesmo - e definitivamente não tem preço - é herdar a trilha sonora das divarsas versões do "On the road to Gyn", e escutá-las incansavelmente na rota casa academia - academia casa. Já chego no pique.

Luciano disse...

Concordo. So nao entendi por que vc nao inclui nem uma cancao brasileira ai nesse seu repertorio.

Igor disse...

Hum... Deixa ver. Putz! Não consigo pensar em nenhuma canção brasileira que me empolgue ao volante.

Paulo Palavra disse...

um momento desses que passei recentemente foi estar voltando para o trabalho num fim de tarde, subindo o eixo monumental, o sol se pondo, o céu de brasília com mil tonalidades de azul à laranjado, e a versão do skank de "Vamos Fugir" rolando no som.
Quase que não voltei pro trabalho...

Ronaldo disse...

Rosu, esse texto lembrou uma de nossas conversas no café... Adorei!