terça-feira, 9 de março de 2010

GASTRONOMIX // Um giro de 33 dias

Voltei. Depois de 33 dias viajando pela Europa, estou de volta. Louco para dividir aqui com vocês algumas das aventuras gastronômicas por Londres, Istambul, Capadócia, Veneza, Florença, Roma e Lisboa. Tem de tudo um pouco: de Gordon Hansay e Jamie Oliver até pratos da Renascença, passando pelos deliciosos sorvetes e especiarias turcas. Senta que lá vem história. Podem ficar tranqüilos que não cansarei vocês só com Europa. Temos novidades pela capital e pelo Brasil também.

Vou direto ao último e acidental destino: Lisboa. A conexão da TAP não me esperou e tive de ficar um dia em Lisboa. Que duro, né! Acordei cedo e fui bater perna pela belíssima capital portuguesa. De volta à terrinha dois anos e meio depois. Lisboa continua linda, agradável e divertida.

Dei uma volta pelo agitadíssimo Bairro Alto, local que ferve às sextas e aos sábados com o público jovem transitando pelas vielas e corredores de pedras com drinks na mão. Quase fui atropelado ao admirar o famoso Elétrico 28, que dá um bom giro pela cidade. Matei saudades da carrocinha que vende CDs de fados. Mariza ao fundo...Que delícia. Não queria mais nada. Aliás, queria sim.

Peguei um bonde no Cais do Sodré e fui embora rumo à Belém. Suaves 15 minutinhos. Ao lado do Mosteiro dos Jerônimos e perto da bela Torre de Belém, fica a Pastelaria de Belém, onde são fabricados os famosos pastéis com o mesmo nome. Você pode comê-los no balcão (que vive sempre abarrotado) ou sentar em um das mesas do labiríntico restaurante/pastelaria. Se puder, opte pela segunda.

O momento é para guardar na memória. Eu e Daniel, que viajou comigo, pedimos primeiro os irresistíveis pastéis de bacalhau (0,90 euros) com vinho verde (típico de Portugal, serve bem gelado). Foram três rodadas. Cada uma, com dois para casa. A crocância do bicho é de sentar e chorar de tanta felicidade. Olhem isso!


Fomos muito bem atendidos pelo Araújo, que quase sentou à mesa de tão íntimos que ficamos dele. Quase consegui a receita secreta (brincadeira!). Em seguida, fomos de pastéis de Belém (0,90 euros). Quatro para cada um. Com expresso bem forte para acompanhar a sobremesa dos deuses – literalmente. A receita, mais bem escondida que a da Coca-Cola, é feita no local desde 1837. Alguns gostam de povilhar açúcar refinado e canela. Prefiro-os puro. Saímos de lá e tinha certeza que o fim da viagem foi brindado com um sabor especial.

Flagra na produção. Quase fui preso por isso...


Pastelaria de Belém
Rua de Belém 84 a 92
Belém – Lisboa (Portugal)
Telefone: +351 21363 74 23
Site:
http://www.pasteisdebelem.pt/pt.html

5 comentários:

continuando assim... disse...

convite para seguir a história de Alice, lá no
--- continuando assim... ---
vai no capítulo 4 ...e ainda há tanto que contar :)

um beijinho desde aqui
teresa

Sarah disse...

Me conte uma coisa: quem teve essa brilhante idéia???
Eu já fiz isso!!!
Troquei o almoço pelos bolinhos de bacalhau, pastéis de belém e duas garrafas de vinho!!!
Bateu saudade ao ler sua coluna...
BEIjooo,

Sarinha.

jwl disse...

Falaaaaaaaaaa Rodrigo,

"O bom filho à casa torna"…ben-vindo (jejejejeje) y quanta novidade. Nós sentimos a sua falta. Vamos aguardar mais novidades.
Um abraço bem gordo.
Will

Rodrigo Caetano disse...

Olá Will,
voltei sim e com muitas novidades.
Para não ficar enfadonho, estou selecionando alguns pontos altos da viagem para contar aqui. Mas vou te falar: foram vários!!! Que bom que vc está aqui com a gente tb. Abraços
Rodrigo Caetano

Rodrigo Caetano disse...

Sarinhaaaaaaaaaaa do meu coração,
tudo bem com vc?
A imagem desses bolinhos e dos pastéis não saem da minha cabeça. Foi muito especial voltar à Lisboa e trocar o almoço pelo vinho e os petiscos. Faltou vc lá.
Beijos
Rodrigo Caetano