quarta-feira, 25 de novembro de 2009

AO PE DO OUVIDO // À moda de Amy Winehouse

Por Rosualdo Rodrigues
De Londres

Desde que começou a carreira, Amy Winehouse tem aparecido mais fazendo travessuras do que cantando. Mas a danada é tão boa que, mesmo assim, se tornou um tipo de referência para várias cantoras de sua geração. Quem ouve a norte-americana Hilary Duffy ou a australiana Gabriela Cilmi, por exemplo, não tem como não lembrar de Amy de alguma forma.

Agora, duas cantoras inglesas com discos de estreia também ecoam o estilo fifties adotado pela pessoalmente confusa artista inglesa. Pixie Lott não tem nada a ver com Amy. É uma loirinha com cara bem saudável e alegre. A semelhança está mais no uso da voz, forte para seus 18 anos e com qualquer coisa das históricas cantoras de soul e blues.

Se a voz é boa, a música, no entanto, é um pop ordinário (no estilo inglês da palavra), bem feitinho, mas que não merece maiores atenções. Embora o fato de ela estar desde junho nas paradas britânicas com o single "Mama do" tenha feito a gravadora lancá-la no Brasil como "a mais nova sensação do Reino Unido". Exagero.

Por outro lado, Paloma Faith tem uma proposta bem mais próxima da de Amy e, ao mesmo tempo, consegue não repeti-la. A moca é cheia de personalidade, na música e no visual extravagante que começa pela capa do ótimo disco "Do you want the truth or something beautiful?", algo como uma pintura antiga e kitsch. "Stone cold sober", o primeiro single do álbum, já é detonador, mas o disco inteiro é muito bom

Curiosidade: antes desse primeiro álbum, ela fez vocais em disco do Basement Jaxx e também trabalhou como atriz. Está no elenco de "O Imaginário de Dr. Parnassus", novo filme de Terry Gilliam "Brazil").

4 comentários:

Roberio disse...

Como sempre foi, uma fez sucesso(Amy),aparecem outras na fila(umas boas outras não)

Paulo Palavra disse...

Rosu, traz uma cópia de cada disco pra mim!

Gabi disse...

Rosu, volta e meia eu venho aqui dar uma espiada na tua coluna. Adoro as novidades!! Saudades de você!
Beijos mil

Rosualdo Rodrigues disse...

Oi Paulo,
Os dois discos jah sairam no Brasil. Coincidentemente, recebi-os no jornal na semana em q estava saindo de ferias. Abraco