segunda-feira, 4 de maio de 2009

EU RECOMENDO // Kong, o moderno despojado de Paris


Por Luciana Fróes (*)
Convidada especial do Gastronomix


Kong é um restaurante espertíssimo, projeto do Phillipe Starck, que funciona nos dois últimos andares da loja do Kenzo em Paris, voltada para o Sena, na altura da Pont Neuf. Tem endereço mais atraente em se tratando da cidade luz? Foi ali onde comi o melhor "dois mil folhas" da minha vida, assinado pelo craque Pierre Hermé, o maior chocolatier da França.

Acho que são mais de duas mil folhas... Estive na casa convidada pela turma do Guia Michelin. O terraço, deslumbrante, serviu de cenário para o lançamento da nova coleção de guias da tradicional marca francesa, referência gastronômica no mundo todo.

Fizeram um café da manhã, com um sol esplendoroso do lado de fora, para um grupo de jornalistas. Era a única da América Latina (ulalá...) Estava ali porque, entre os guias lançados naquela manhã, numa série nova da casa chamada Voyager Pratique (de endereços descolados e baratos no mundo todo), estava um sobre o Brasil.

Mas voltando ao Kong. O visual é incrível e a sensação que se tem é que se está a bordo do bondinho do Pão de Açúcar. Só que vendo o Sena.

O projeto de Phillipe Stark é divertidíssimo, com muita luz, paisagem, cor e bom humor. As cadeiras em acrílico transparente trazem estampadas carinhas dos mais diversos "dnas": brancas, pretas, louras, ruivas, orientais, asiáticas...

Mas o que predomina é a estética oriental (lembre que estamos nas dependências da Kenzo), com rostos femininos nos encostos e vidros que separam as mesas umas das outras. O bacana é que essas carinhas mudam conforme o ângulo: uma japa pode virar uma africana.E algumas cadeiras, olha só que grande idéia, são de balanço. Come-se, bebe-se e se papeia muito no maior embalo... Coisas de Strack

O bar é outro espetáculo. O tampo é de vidro (ou alguma resina transparente) âmbar, tendo como forro um "jardim" de orquídeas. O cardápio da casa é simples. Zero de complicações. Mas oferece pratos deliciosos e moderninhos, transitando da cozinha francesa a oriental, sem escalas. Frescor sem frescuras.

Sugiro um almoço ou um drinque no fim da tarde. Se bem que à noite também é incrível. Está tudo lá, pratos, drinques, doces.... Bon appetit e... divirta-se. Só não esqueça de pedir o "duas mil folhas". O hamburguer também é inesquecível".

Kong Restaurant
1, rue du Pont Neuf, Paris
Quinto andar
Telefone: 014 0390900
Site:
www.kong.fr

(
*) Luciana Fróes é jornalista e crítica de gastronomia do jornal O Globo. Ela assina o Blog Luciana Fróes e é autora do livro Chame o Chef (Editora Ediouro).

5 comentários:

Luiz Edmundo Germano Alvarenga disse...

Rodrigo, eu aceiteO a indicação da Luciana e já fui ao Kong umas 5 ou 6 vezes, com todas as luminosidades possíveis: é um espetáculo para o que se propõe. Achei muito bom ver a Luciana aqui, já estou me cadastrando e vou divulgar no Blog do Alvarenga http://legalvarenga.blogspot.com e, com certeza você terá um grande sucesso!
Abraço.

Anônimo disse...

Comer em Paris já é um must! Com vista pro Sena, então, nem se fala!

Anônimo disse...

Anotado no meu caderninho.O Kong é destino certo na minha próxima visita a Paris!

Sérgio disse...

Só faltou colocar o valor médio do menu no Kong. Será que nós, pobres mortais, conseguimos comer lá?

Rodrigo Caetano disse...

Oi Luiz,
que bom que vc está se tornando um Gastronomix...Por favor, seja bem vindo e comente mais. Essa Luciana é muito chique, né.
abs
Rodrigo Caetano