quinta-feira, 30 de novembro de 2017

CHAZEIRA // Percorrendo a Rota do Chá brasileiro

Eloína Telho
Colunista de Chá do Gastronomix

No início do século XX, a região do Vale do Ribeira, em São Paulo, recebeu um grande número de imigrantes japoneses. Inicialmente interessados no cultivo do arroz, fixaram-se com suas famílias no município de Registro e descobriram que aquelas terras ácidas, naturalmente encharcadas pelo rio, em que chovia sempre, ofereciam um enorme potencial agrícola para algo que sabiam cultivar: o chá.

É verdade que há relatos de outras tentativas de cultivo de chá no país, no Rio de Janeiro e até mesmo em São Paulo, na capital e no oeste do Estado. Entretanto, foi em Registro, a partir de 1935, quando Torazo Okamoto, introduziu em suas terras a variedade assâmica, de origem indiana, que a cultura do chá se estabeleceu e se manteve, por muito tempo, como principal atividade econômica da região. A cidade, que já chegou a ter 42 (quarenta e duas) fábricas de chá de pequeno e grande porte (Chábras, Chá Ribeira, Agrochá, Amaya e Cotia, por exemplo) até os anos 80, época áurea do chá brasileiro, hoje conta com apenas 2 (duas) e tenta fazer renascer tal cultura, de um jeito único e lindo. 

Louca para conhecer toda essa história, que se confunde com parte da história da própria imigração japonesa, embarquei em uma viagem incrível de final de semana, a “Rota do Chá”, organizada pela Escola de Chá Embahú. Conduzidos por Yuri, Cláudio e Renata (Infusorina), e, literalmente, pelo melhor motorista de van do mundo, Seu Renato, passamos um final de semana vivendo o chá, em meio a muitas emoções que tento, agora, descrever.  

Registro respira chá. Em suas calçadas, por toda a cidade, está a marca do produto que, até os anos 90, garantiu o desenvolvimento econômico da região: arbustos de Camellia Sinensis (criação do artista Sesary Roberto de Oliveira). Na bandeira do Município, a flor da Camellia, para lembrar que, ali, há orgulho do que se planta.
Pezinhos sujos na calçada porque eu trabalhei no chazal, viu?
Bandeira de Registro/SP. Olha que fofa a flor do chá!

Começamos nossa expedição na margem do Rio Ribeira de Iguape. Uma bela cerimônia do chá contemporânea, cheia de significado e emoção, conduzida com delicadeza por Vinícius Monfernatti e Erika Kobayashi, intitulada de “Florescimento”, foi realizada para representar “o esforço das famílias produtoras que, apesar da crise, resgatam e fortalecem a cultura do chá na região do Vale do Ribeira”. O chá foi servido a membros das famílias Shimada e Amaya, produtores de chá da cidade. Simplesmente incrível! 
Lembra do Vinícius, da @asaladecha? Ele já apareceu em outro texto, sobre a cerimônia japonesa do chá. E só vou dizer que, pessoalmente, ele é ainda mais maravilhoso!

Em seguida, fomos ao Sítio Shimada, que produz um dos chás mais especiais da existência, o “Obaatian”, conhecido como o chá da vovó. No chazal da família, Teresinha Shimada, filha da vovó que dá nome ao chá, e seu marido Leo, nos ensinaram a colher chá, de forma manual, como fazem, enquanto nos contavam um pouco sobre a história da família, da produção. Sonho realizado!
O marido, aprendendo a colher chá com Teresinha Shimada. Atento que só ele!

De lá, fomos para a sede do Sítio, bater um papo com a Rainha do chá brasileiro, Dona Elizabete Ume Shimada, a própria Obaatian, em carne e osso. Com um bom humor invejável, contou um pouco de sua história, quando, aos 87 anos de idade, resolveu começar a fabricar o próprio chá, depois que sucessivas crises fizeram com que as fábricas não comprassem mais a sua produção. Vimos todo o envolvimento da família na luta pela recuperação dos chazais e, claro, tomamos muito chazinho, com comidinhas maravilhosas, em um momento cheio de afeto e emoção.  
Uma Chazeira emocionada conhecendo a Obaatian. Alguém pega meu lencinho aí!

À tarde, conhecemos a Amaya, a maior fábrica de chás brasileiros, que produz chás verdes e pretos de outra maneira, em escala industrial, e tivemos uma aula sobre as etapas de processamento. No sítio, visitamos a antiga casa da família Amaya, hoje tombada pelo patrimônio histórico, visitamos seu chazal e aprendemos sobre a colheita mecanizada, diferente daquela realizada pela família Shimada.
Conhecendo o casarão da família Amaya. Foto: Escola de Chá Embahú.
Me encontrou aí no chazal da Amaya? Foto: Escola de Chá Embahú.

No domingo, voltamos ao Sítio Shimada, para, sob a orientação de Teresinha, acompanharmos as etapas de processamento do chá que colhemos. Depois, conhecemos a plantão de lichia mantida na propriedade, a lojinha da Obaatian, inaugurada na ocasião, com chazinhos, bordados feitos pela vovó e biscoitinhos deliciosos feitos por Teresinha. Ao final, almoçamos com a família Shimada, que é indescritivelmente acolhedora, da vovó aos netos (Yuki e Alice, muito amor!). Foram dias de emoção, boa companhia, conversa massa e, claro, muito chá!
Meu próprio chazinho, que tal? #queroserobaatian
Essa é a foto da despedida, tirada pela Escola de Chá Embahú.
Para ficar na parede, na memória e, para sempre, no coração.

Se você também gosta de chá, não perca a próxima edição da Rota do Chá, em 2018.

Acompanhando o site da “Escola de Chá Embahú”, ou suas redes sociais (instagram @escoladecha), você se informa sobre as novas datas e programação. A Escola também realiza cursos presenciais maravilhosos, em São Bento do Sapucaí (logo, logo tô chegando!) e vale a pena conferir o trabalho lindo realizado por Yuri e Cláudio, os idealizadores dessa aventura.

Nas minhas redes sociais há algumas outras imagens desse momento, que foi, de fato, um dos mais emocionantes da minha vida: @chazeira (insta) ou @eloinachazeira (face). Se quiser saber outros detalhes, precisar de alguma orientação ou compartilhar alguma dica imperdível, pode mandar e-mail para eloinachazeira@gmail.com, que respondo. Chá, como já disse, é meu assunto preferido, sempre!

Beijos e bons chazinhos! Até a próxima quinta!

2 comentários:

Elenir Gomes disse...

Muito lindas a história de vida dessas famílias: Amaya e Shimada e a experiência de vocês, deve ter sido muito gratificante ....👏👏❤😙

Caroline Menezes disse...

Obrigada por compartilhar essas histórias lindas com a gente...